29 de mar de 2011

Saudades...

Abril está chegando e como todos os anos desde 2004 este é um período em que meu coração fica apertadinho de tantas saudades de uma pessoa muito especial para mim. Não que em todos os outros dias e meses do ano essa saudade desapareça, muito pelo contrário, ela sempre está comigo. No entanto, em este mês, essa pessoa estaria completando 27 anos de vida se estivesse conosco.
Flávia, esse era o seu nome. Minha amiga, minha melhor amiga... Estudamos juntas desde nosso primeiro dia em uma escola, sentávamos próximas na sala de aula, e fazíamos trabalhos e atividades juntas, aproveitávamos, de fato, os milhares de recreios que vivenciamos, ela ia em casa e passávamos horas rindo, conversando sobre todo tipo de assunto: nossos sonhos, os meninos mais bonitos da sala, músicas da época...
Ela era tão linda, tão calma, tão inteligente ... tinha planos para o futuro e sonhos "pés no chão", bem ao contrário de mim, sempre tão apavorada, tão cheia de palpites, sonhos exagerados, e planos só para o hoje e amanhã, como até hoje, diga se de passagem.
Ela sempre me ajudava com as lições de casa e as atividades da aula, e quando eu resmungava das aulas de química e física, ela dizia: "Dani, você não sabe o quanto é inteligente, só tem preguiça de estudar."
Como eu queria que ela estivesse no dia da minha formatura, um ano depois de sua morte.
No momento em que eu recebi o prêmio de melhor aluna do curso de matemática, bem ali na minha mente, estava as palavras dela destacadas "Você é inteligente, só tem preguiça de estudar." Isso repetia na minha cabeça enquanto eu subia as escadas para pegar o prêmio.
Como eu queria tê-la ali, como eu queria que ela visse que ela acertou quando, em um dia, me disse convícta: "No dia de sua formatura, estarei lá para ver você receber um prêmio por ser a melhor." E eu, sempre zuando dizia "Ahhhh, você quer ir lá só para ver eu receber o prêmio de PIOR aluna né?!" e rimos juntas.
Ela estava estudando em uma outra cidade, e já não nos viamos com tanta frequência, mas sempre que ela estava na cidade, nos encontrávamos e passávamos momentos de nostalgia e de alegria recordando nossa infância, ou, checando se nossos planos estavam dando certo, ou melhor, os dela... Eram momentos únicos!!
O último encontro nosso ocorreu, por incrível que pareça, no velório de um amigo da nossa época de escola, o Michel, havia falecido em um acidente de carro. Com a tristeza do momento quase não conseguimos nos falar, dei meu último abraço nela e fui pra casa, sem saber que aquela era nossa despedida.
No entanto, antes da notícia de sua morte, eu a vi pela última vez em um dos dias mais infelizes da minha vida... Fui ao supermercado para minha mãe e quando estava saindo de lá, bem ao longe no final da rua eu a avistei, ela estava lá, conversando com uma pessoa, mas eu estava com tanta pressa que pensei "Ah! outro dia eu falo com ela."
Puro engano, em menos de uma semana recebi a notícia de que ela havia falecido, ela já não estava entre nós. Como me odiei por não ter ído lá falar com ela, dar um abraço e dizer o quanto ela era uma pessoa especial. Me odiei com toda a força, e acredito que ainda hoje me odeio por isso.
Fui ao seu velório, e não podia me conformar em ver ali minha amiga, alguém com quem sentei horas pra conversar, alguém que quando eu estava muito brava e brigava, vinha me pedir desculpas e só depois, bem depois, perguntava o que tinha feito de ruim, afinal.
Se existem anjos entre nós, Flávia, com certeza era um deles. Doce, gentil, linda, inteligente, amiga, otimista...
Lembro dela me dizendo "Dani, não adianta você brigar comigo, nossa amizade não terá um ponto final nunca." É, hoje eu tenho certeza que nossa amizade é para além da morte, e que de fato, não terá nunca um ponto final.
Aprendi com essa perda que não existe "depois", "amanhã" ou "um dia" para as pessoas que amamos. Quando menos esperamos, elas partem, e ficamos frente a uma história que já não cabe mais um final diferente.
Hoje, digo o que penso para as pessoas que me rodeiam.. "Eu te amo!", "Me perdôe?!", "Você é especial!", "Como é bom ter você na minha vida!"... Não quero ter novamente este mesmo sentimento que tive quando me vi diante de uma história finalizada e sem oportunidades para acrescentar uma palavra que fosse.
Para você Flávia, o que tenho a dizer é que um dia estaremos juntas, e aquele abraço que estou te devendo, será o melhor de todos.