12 de ago de 2012

Para além do "para sempre"

Um dia seus olhares se encontraram, e em segredo se prometeram jamais se deixarem.
Amaram desde o primeiro segundo. Não lhes importavam status, sociedade, modos, família... Nada além de o desejo de segurarem nas mãos um do outro e trilhar seus caminhos, agora juntos, agora pertos... Para além do “para sempre”.
Num outro dia, no entanto, se deram conta de que não estavam mais tão próximos. Seus passos se distanciavam, e suas mãos já quase não se tocavam. Entreolharam, e com lágrimas nos olhos perceberam que não se reconheciam mais. Não eram os mesmos de antes, haviam se entristecido, desanimado, e cansado.
Não entendendo o que havia acontecido para que suas vidas voltassem a ser solitárias, buscaram no infinito dos céus uma resposta. E ao olharem aquele azul enegrecido e cheio de estrelas, tantas, tantas e todas tão sós, entenderam que os verdadeiros amores não foram feitos para ficarem juntos.
Foram feitos para brilharem como as estrelas, guiando os passos do ser amado, mas jamais entrelaçados.
Sorriram, e com um último suspiro do adeus que não podia ser dito. Partiram! Um iluminando o caminho do outro... Para além, para além do "Para Sempre".

9 de jun de 2012

Preciso Tanto De Você

Eu só queria te reencontrar. Queria poder olhar em seus olhos e reconhecer aquele que um dia fez parte de mim... Aquele que de tanto amar, deixei que ficasse com parte do meu coração, parte dos meus sonhos, parte da minha felicidade...
Quando olho o horizonte, sinto que aí está você. Embora não possa vê-lo, posso senti-lo. Está nas lágrimas que escorrem por minha face, no vento que assopra minha pele, na chuva que molha meus cabelos, no sol que me aquece...
Num tempo fomos um, e sendo um nos bastava... Sorrimos as mesmas alegrias, e penamos os mesmos pesares. Juntos, únicos, corações entrelaçados e amor abençoado.
Hoje preciso de você! Cada dia preciso mais e mais de você. Preciso te sentir! A saudade aumenta a cada segundo, e eu sei que a vontade de voltar a revê-lo me faz caminhar e acreditar que, em meio a tantas pessoas, nossos olhos se encontrarão e um sorriso bastará para que nunca mais estejamos sós outra vez.
Te espero! Porque sempre, sempre te amei.

8 de jan de 2012

As Palavras...

As palavras eram sua melhor companhia. Descobriu as num dia, folheando certo livro adormecido e há anos esquecido num cemitério de palavras. Elas lhe sorriram, lhe tocaram timidamente e lhe permitiram sonhar, descobrir novos mundos... viajar!!!
Daquele dia em diante soube que não poderia seguir sem elas, e embora lhe trouxessem calafrios, não conseguiu deixá-las para trás.
Regozijou-se milhões de vezes com o que lhe diziam. E em tantas outras, experimentou seu gosto mais amargo, ou mesmo seu calar mais sufocante.
Um dia decidira que não mais seria governada por elas. Estudou, pesquisou, buscou, e com leituras estafantes, achou que agora as liderava. Se enganou!
Acercando-se delas, sentiu exalar seus segredos mais profundos... Foram capazes de transformar o mundo, destruir impérios inteiros, desbancar nações poderosas, amaldiçoar vidas para sempre, ou uni-las para além da eternidade... Teve medo, e por vez, intensa paixão.
Em certa ocasião, agarrou-as, embrulhou-as em uma caixa de presente revolta por um lindo laço e entregou-as ao ser amado como prova de seu mais puro e verdadeiro amor. No entanto, elas, as palavras, não são nada domesticáveis, e forçadas a escreverem algo a quem não sabia lhes compreender, deixaram se levar pelo ar, e escorregaram para o chão - como água lançada a terra - desapareceram com sua interpretação para sempre, para distante de um infeliz amor não compreendido.
Hoje, ela senta com elas em seu colo. As acaricia com seus dedos. As deixa pousar ali, entre um espaço em branco e pontos a separá-las. Aprendeu a brincar com elas. Sabe que não poderia viver sem suas eternas amigas, mesmo que não consiga dominá-las por completo. Sabe que muitas vezes não será capaz de entender o que suas entrelinhas querem dizer. Sabe que, embora lhes façam sofrer inúmeras vezes, sem elas o sorriso jamais voltaria ao seu rosto e a felicidade jamais bateria a sua porta.
Seu dilema - de ontem, hoje e talvez sempre - se converte em saber usá-las no momento certo, e da maneira correta.
Elas, as palavras, apenas observam. Com uma amiga a lhes conceder vida, elas traçam seu destino.